quarta-feira, 8 de setembro de 2010

EDITORIAL

CARO LEITOR

Viva a Primavera!

Todos os anos, o nosso Criador traz, através da primavera, uma mensagem de esperança e de renovação.
No momento que se observa, nas árvores e nos jardins, surgirem as flores, nas suas mais variadas cores e formas, a certeza que se tem, é que um novo tempo chegou. Uma nova chance é oferecida por Deus, para começar de novo.
Aparecem as flores na terra, chegou o tempo de cantarem as aves. (Ct 2:11-12)
A palavra de Deus diz que o inverno passa, a chuva cessa, e o tempo de cantar chega.

Reflexão



Magia dos quatro momentos da vida!

As quatro estações em nossa vida!





 
 
 
Um homem tinha quatro filhos.

Ele queria que seus filhos aprendessem a não ter pressa quando fizessem seus julgamentos.

Por isso, convidou cada um deles para fazer uma viagem e observar uma pereira plantada num local distante.

O primeiro filho chegou lá no INVERNO, o segundo na PRIMAVERA, o terceiro, no VERÃO e o quarto, o caçula, no OUTONO.

Quando eles retornaram, o pai os reuniu e pediu que contassem o que tinham visto.

O primeiro chegou lá no INVERNO.

Disse que a árvore era feia e acrescentou:

“- Além de feia, ela é seca e retorcida!”

O segundo chegou lá na PRIMAVERA. Disse que aquilo não era verdade.

Contou que encontrou uma árvore cheia de botões, e carregada de promessas.

O terceiro chegou no VERÃO, a árvore era tão graciosa como ele jamais tinha visto.

O último filho chegou no OUTONO. Ele disse que a árvore estava carregada e arqueada cheia de frutas, vida e promessas…

O pai então explicou a seus filhos que todos eles estavam certos, porque eles haviam visto apenas uma estação da vida da árvore…

Ele disse que não se pode julgar uma árvore, ou uma pessoa, por apenas uma estação.

A essência do que se é, (como o prazer, a alegria e o amor que vem da vida) só pode ser constatada no final de tudo, exatamente como no momento em que todas as estações do ano se completam!

Se alguém desistir no INVERNO, perderá a beleza da PRIMAVERA, as promessas do VERÃO e a expectativa do OUTONO.

Não permita que a dor de uma estação destrua a alegria de todas as outras.

Não julgue a vida apenas por uma estação difícil.

Persevere através dos caminhos difíceis e melhores tempos certamente virão.

CRÔNICA - RITA ELISA





 

Foto: Renato Santos Góes, biólogo que trabalha no parque da cidade.







Há uma lenda chamada Sapucaia-Roca que é a história de uma pequena povoação à margem de um rio que levava uma vida desordenada e má, se entregavam às danças impudicas e, suas cantigas eram tão pecaminosas, que até mesmo os espíritos protetores, os que velavam essa tribo, chegaram a chorar de tristeza em ver a tribo praticando abominações. O pajé da tribo advertiu que se continuassem agindo daquela forma um grande castigo viria. Mas, os tribais nem ligaram.

Certo dia, a terra tremeu e o rio que banhava a tribo subiu tanto que engoliu a tribo, deixando-a para sempre submersa em água.

Com o passar dos anos, o rio voltou ao seu leito normal, mas a cidade ficou sepultada na profundidade do rio.

Outra tribo se formou à margem do rio. Foi se desenvolvendo alegre, com bons costumes. E, de vez em quando, tarde da noite, acordavam com os cantos de galos, que incessante se erguiam do fundo das águas.

Os pajés, ao serem consultados, perscrutaram os segredos do destino, explicaram que aqueles cantos escutados nas horas mortas da noite, provinham dos espíritos guardiões de uma tribo que outrora viveu ali, à margem do rio, e que, agora jazia no fundo d’água. E que os espíritos protetores da tribo, serviam-se desse canto de galo para recordarem o tremendo castigo pelo qual passaram a antiga tribo, e assim, desviarem a nova geração do perigo de igual fatalidade. Para isso tornaram-se árvores frondosas, margeando todo o rio. As sapucaias. Bem... essa é uma antiga lenda.

Hoje, quem quiser olhar uma dessas árvores, vá ao Parque da Cidade em São José dos Campos, imponente, ela se ergue acima de muitas outras, parece vigiar o lugar para que tudo ocorra para o bem das pessoas que ali passeiam, moram, estudam e trabalham.

Seus frutos são castanhas envolvidas em uma carapaça dura. Ela é um dos motivos de haver tantos esquilos no parque. Alimento anual para eles, que em época frutífera coletam as castanhas, comem algumas e, outras, sabiamente, as enterram. Dessa forma eles têm alimentos o ano inteiro. Algumas castanhas não são reencontradas pelos esquilos e tornam-se benção!... pois brotam, dando lugar à uma nova Sapucaia. Uma antiga forma de reflorestamento.

A cabaça da sapucaia é tão dura que valeu um ditado: ‘arrebenta o coco, mas não quebra a sapucaia’. Isso quer dizer que se uma dessas frutas cair em nós, arrebenta a nossa cabeça... mas, a fruta mesma não se despedaça.

Ao passear pelo parque da cidade, ande devagar, olhe as árvores, cada uma tem história para contar. Ao ver os bichos, capivaras, garças, esquilos, marrecos e muito mais, lembre-se que estão ali porque o lugar lhes proporciona sobrevivência, não precisam de pão velho, pipoca, bolacha ou alguma outra guloseima humana. Eles sabem aonde procurar e achar seus alimentos. Bom passeio!... a gente se encontra lá!





Rita Elisa Seda

Cronista, poeta, biógrafa, fotógrafa e jornalista.




Poema







www.zenildalua-alfazema.blogspot.com



Zenilda Lua


 














A tarde nem tinha começado direito e ela encostou-se a churrasqueira e pegou no sono.

Sua cor era de um azul tão festivo que humilhava o céu do sertão todinho.

Chamei a Brisa para assistir aquela oferta de amor silênciosa.

Veio sorridente com seu inevitável cuidado fotográfico, registrando a raridade daquela beleza.

Dois cliques e nenhum arremeço de suspiro ou reclamação.

Abaixei o som.

Putz!

O cheiro da chuva e a fanfarra dos trovões oferecia riscos.

Voltei ao local e ela permanecia estática feito àgora grega, linda como um poema do Drumond.

As borboletas tem sono leve, pensei.

Vou gritar por ela.

E gritei por imposição da circunstância. Nenhum aceno ou pedido de espera.

Toquei-lhe as costas com o fura-bolo e nada.

Incomodada com aquela postura restou-me apenas transmitir seu recado:

-Diga aos amigos que tive uma vida maravilhosa....

(e desceu leve pela correnteza que escorria da calha).




Workshop


ÁRVORES QUE VALEM 

UMA PROSA JOSEENSE!























Conversar sobre árvores é frutificar idéias...
























Sônia Gabriel foi contar a história do Ipê Amarelo, especialmente de seu livro

Mistérios do Vale, foi um momento emocionante...

enquanto isso a Baby ficou nos meus braços... comportada a menina!





























Rita contou seu resgate a respeito das 'estórias', causos, lendas e histórias de algumas árvores joseenses para essa turma de jovens que lhe encheram a alma de esperança, ouviu de muitos deles o depoimento sobre árvores que fazem diferenças em suas vidas: 'meu bisavô plantou um pé de limão no fundo de sua casa, ele já morreu, mas quando vou até o limoeiro, me lembro dele', 'meu tio plantou um pé de abacate lá em casa, o pé está enorme, quando como abacate lembro de meu tio', 'eu plantei um ,pé de mexerica, ele já está dando fruta, é a melhor mexerica que já comi', 'lá em casa plantamos um pé de jaca'...







Aninha é tudo de bom...

poeta, amiga de Rita Elisa,

participa de todos eventos na

Casa de Cultura

Flávio Craveiro...









A Revista Visão Vale também participou do evento


Francisco Sales Júnior e Cleusa Sales são editores da
revista Visão Vale, contaram sobre suas experiências a respeito das árvores joseenses...










 













Rita Elisa ficou apaixonada por esses jovens...

Um dia para guardar em seu coração!


Veja mais fotos do evento no blog:

http://www.palavrasdeseda.blogspot.com/

mês de agosto!



A VIDA É MUITO BELA SIM!





A vida é belíssima, mas é preciso deixá-la simples de vivê-la.

Às vezes, ela parece com um imenso jardim, de repente, a paisagem muda e ela se torna árida como um deserto.

Mas todo ser humano possui uma energia interior incrível que supera qualquer obstáculo.

Infelizmente muitos desconhecem esta força e a cada queda desanima de reerguer-se.

Tudo nesta vida tem um lado positivo e precisamos apenas aproveitar com sabedoria, antes que seja tarde demais.

Por isso ame sua vida; e nunca esqueça que o seu maior carrasco é você próprio.

Ninguém pode ferir mais você do que você mesmo.

A vida é bela e delicada. Cuide carinhosamente dela.

Viver plenamente não é tão difícil quanto parece.

Pratique ao acordar, sorrir várias vezes em frente ao espelho. Tonifica a musculatura facial.

Feche os olhos e pense nos três momentos de maior felicidade de sua vida.

Vá dormir às 9 da noite uma vez por semana. Se fizer isso na quinta-feira, seu fim de semana será brilhante.

Abrace as pessoas que você ama. Principalmente sem momento especial!!

Faça surpresas. Esconda bilhetinhos pela casa com recados carinhosos, para as pessoas que moram com você.

Faça uma lista de tudo o que a vida já lhe deu. O que você já conquistou. E agradeça sempre.

Não se compare a ninguém. Seja especial como você é.

Diga ”Eu te amo” sempre incondicionalmente!

Torne mais feliz o dia de alguém. Praticando algo que ele(a) goste.

Alguns dizem que vida é o intervalo entre o nascer e o morrer.

Portanto…

Trabalhe como se não precisasse do dinheiro.

Ame como se nunca tivesse sido magoado.

Dance como se ninguém estivesse te vendo.

Cante como se ninguém te ouvisse.

Viva como se a Terra fosse o Céu.



É Primavera, tempo de reflexão...





É primavera... Não há como ignorar que dentre as quatro estações, essa é a que mais nos traz inspiração. Ela representa a renovação da vida, que ocorre logo após as baixas temperaturas do inverno. A primavera com suas flores exuberantes e seu colorido ímpar, sempre nos inspira à esperança.

Hoje, quando celebramos o início da primavera, lembramos também de um dos mais belos trechos do sermão do monte: “Olhai as aves do céu... Olhai os lírios do campo”. É um convite de Jesus. Precioso convite acompanhado de lições preciosas.

1 – É um convite à exercitarmos um olhar contemplativo.

Na língua grega, o verbo “olhai”, tem um significado muito mais abrangente: Trata-se de um olhar contemplativo, aquele que é capaz de adentrar além do mistério da vida presente e do que está a frente de nossos olhos. É triste quando observamos que o ser humano de nosso tempo perdeu esse olhar contemplativo. Nosso olhar está infectado pelo vírus científico, técnico e calculista. Perdemos aos poucos a capacidade de valorizar o belo e simples. Para os que perderam essa percepção, as folhas de um ipê (como na foto acima), não passam de um monturo de lixo a sujar nossos monumentos. Quando consideramos que folhas de um ipê são sujas e nos agridem, algo de muito ruim está acontecendo conosco.

Mas podemos treinar esse olhar contemplativo no que chamamos de disciplina espiritual. O segredo dessa disciplina está em estarmos dispostos em nos abrir ao transcendente. É o olhar capaz de ver no pão e no vinho de nossa ceia, não apenas “pão e vinho”, mas o puro trigo colhido no campo e a vistosa uva cultivada por mãos dedicadas, que se transformam em símbolo de comunhão e ligação entre criador e criaturas.

Bom seria se nos permitíssemos sempre que Deus trabalhasse em nós e especialmente em nosso olhar, para que pudéssemos naturalmente contemplar a beleza de suas obras.

2 – É um convite de Jesus para contemplarmos a providência de Deus na criação.

“Olhai as aves do céu. Elas não semeiam nem colhem, nem ajuntam em armazéns... No entanto, o Pai que está nos céus as alimenta.”

Isso pode parecer um convite à irresponsabilidade, mas não. Antes, é uma exortação a confiarmos na providência e na graça de Deus sobre nossa existência. Muitas de nossas dificuldades no dia-a-dia seriam menores caso praticássemos essa constante contemplação da providência divina sobre nossas vidas.

Os pássaros que ás vezes percebemos voando no céu têm muito a nos ensinar. Deus, de alguma maneira os sustenta e garante a sobrevivência de sua espécie. Mas nós, geralmente nos estressamos demais com nosso sustento porque sempre estamos preocupados em ajuntar em celeiros e garantir nosso futuro. É naturalmente sábio ter algum tipo de previdência para suportar problemas futuros. Porém, quando a preocupação pela previdência ofusca a fé na Providência é sinal de que nossos valores estão invertidos. A doutrina da Providência nos ensina que Deus zela por nós, pela natureza, pela história e há de conduzir-nos sob seus cuidados. Conforme nos sugere o apóstolo Pedro:

“Coloquem nas mãos de Deus qualquer preocupação, pois é Ele quem cuida de vocês”(I Pe 5.7)

3 – É um convite de Jesus a contemplar a beleza da simplicidade.

“Olhai os lírios do campo. Eles não trabalham nem fiam... eu, contudo vos afirmo que nem o rei Salomão em toda a sua glória, jamais se vestiu como um deles”.

É interessante observar a comparação que Jesus fez aqui – Salomão o opulento e poderoso rei de Israel, que se vestia com os tecidos finos e caros da época é comparado aos lírios do campo e perde longe nessa comparação. Somos então desafiados por Jesus a contemplar a beleza da simplicidade em contraste ao nosso mundo que eleva o que é ostensivo e luxuoso, o que custa caro e que gostamos de esnobar.

Há outro detalhe importante que devemos notar com atenção. Jesus fala em lírios do campo. Não é lírio cuidado e cultivado em nossos jardins, não é o lírio que cresce nas floriculturas recebendo adubo e cuidado constante. Não é o lírio que se tornou belo e vistoso porque a mão humana colaborou nesse processo. Não é para esse lírio que devemos olhar, mas para os lírios “do campo” que crescem nas regiões mais inóspitas, sob os riscos do tempo chuvoso e árido, sob todas as ameaças da natureza. Os lírios do campo se tornaram belos porque foram cuidados e preservados somente por Deus.

É um convite a abrirmos nosso coração à surpreendente e maravilhosa providência de Deus e de seu poder ao nosso redor.

Espero que essa reflexão primaveril nos inspire a viver nesse mundo com uma perspectiva diferenciada e com um olhar diferente. Que a chegada da estação das flores se apresente a nós como uma oportunidade de recomeço, de esperança, de alegria e de fé.

Saúde

ÁGUA


Água potável é aquela que reúne características que a coloca na condição própria para o consumo do ser humano. Portanto, a água potável deve estar livre de qualquer tipo de contaminação. A água potável pode ser de uma fonte natural, desde que não haja nenhum tipo de contaminação em sua nascente ou percurso. Pode ser também obtida através de um processo de tratamento físico ou químico.

A água forma a maior parte do volume de uma célula. No ser humano, ela representa cerca de 70% de seu peso. Uma pessoa de 65kg por exemplo tem 45 kg de água em seu corpo. Daí sua importância no funcionamento dos organismos vivos.

O Transporte dos sais minerais e de outras substâncias, para dentro ou fora da célula, é feita por soluções aquosas. Mesmo a regulagem da temperatura do corpo depende da água, é pelo suor que “expulsamos” parte do calor inter-no.

O tempo está muito seco, os hospitais recebem diariamente pessoas com doenças respiratórias, por isso recomenda-se tomar muita água e manter o corpo hidratado.

Dica: O melhor remédio para gripes e resfriados é tomar muita água de preferência de boa qualidade, cuide-se.

 

Malagueta - Roupas Femininas

Venham conferir!!!

Coleção primavera/verão
da Malagueta, roupas femininas e
acessorios com até 20% de desconto.

 
 
Apimente seu visual nesse verão com a coleção das lojas Malagueta.



Tendências da Moda Verão 2010 /2011


As Tendências da Moda Verão 2010 prometem chegar com força total para proporcionar um visual autêntico a estação mais quente do ano. Os modelos das roupas se inspiram em décadas passadas para compor um figurino ousado e alternativo. O colorido, a complementação com acessórios e as estampas geométricas estarão no auge da moda.



Estampas vibrantes

As estampas da Primavera Verão 2010/ 2011 chegam cheias de impacto, vida, cor e brilho! Por isso podemos ver referências étnicas, geométricas e românticas ganhando espaço em um mesmo look!


Transparências

As transparências estiveram presentes em boa parte das coleções exibidas. Em visuais ousados ou mesmo em recortes e camadas de apenas algumas peças, os tecidos leves e fluídos de aspecto translúcido ganharam espaço entre as tendências do Verão 2011.

Em vestidos, blusas, calças ou saias o material transparente pode dar origem a uma produção sexy e muito feminina, basta não exagerar e saber compensar toda essa sensualidade com peças mais discretas. Com um ótimo caimento essa é uma das apostas que promete fazer sucesso nas estações mais quentes conquistando até mesmo os vestidinhos das mulheres românticas e delicadas!



Leveza

Toques leves e despretensiosos tiveram espaço entre as apostas dos estilistas para a temporada de calor de 2011. Com babados, tecidos fluídos e ares relaxados a moda feminina conta com muitas saias e vestidos soltinhos para garantir o conforto e a os ares relaxados do verão.


Cores

Verde militar, índigo (com ou sem lavagem), lilases, tons terrosos, laranjas, pinks, verdes e amarelos vibrantes contrastaram-se.

As peças-chave

Tomara-que-caia, shorts e bermudas, mini vestido “coladinho”, collants, jaquetas, casaquetos, camisas, calças skinny ou semi-bag (lisa ou estampada). Destaque para o denim e os terninhos vistos em várias coleções.







MALAGUETA,  VENHA CONFERIR!



Vianna

Aguardem!!!

Fazol - Comércio de Ferro e Aço

A Fazol se destaca no mercado por atender a construção civil, com aço em BARRAS ou CORTADA, DOBRADA, MONTADA
em qualquer quantidade desejada,
entregue no local ou retirado em nossas instalações.

Executamos a montagem  da  ferragem de acordo com o seu projeto e fazemos orçamento sem compromisso!


A Fazol entrega a quantidade necessária para a sua obra. Alguns dos itens que dispomos

para entrega imediata: vergalhões aço CA-50 E CA-60 - telas de aço soldada - arame recozido - pregos
entre outros. Com a intenção de oferecer sempre o melhor preço, agilidade nas entregas e, acima de tudo, seriedade, a Fazol coloca à disposição sua equipe de vendas.



















 










Endereço: Av. Tancredo Neves, 384 Vl. Araujo – SJC - SP
(Na descida do Gás sentido ao N. Horizonte)

Fone: (12) 3907-3001 Fax: 3907-3151














Música

Sol De Primavera




















Beto Guedes





E                     C#m7

Quando entrar setembro

G#m7    C#m7              A7+ A/C#

E a boa nova andar nos campos

B               A7+

Quero ver brotar o perdão

B                     A7+

Onde a gente plantou

A/B               E

Juntos outra vez



                    C#m7

Já sonhamos juntos

G#m7        C#m7               A7+ A/C#

Semeando as canções no vento

B                      A7+

Quero ver crescer nossa voz

B                   A7+    A/B

No que falta sonhar



E                     C#m7

Já choramos muito,

G#m7        C#m7             A7+ A/C#

Muitos se perderam no caminho,

B                              A7+

Mesmo assim não custa tentar

B                  A7+

Uma nova canção

A/B                      E

Que venha nos trazer

                C#m7

Sol de primavera



G#m7      C#m7             A7+ A/C#

Abre as janelas do meu peito

B            A7+

A lição sabemos decor



B                     A7+

Só nos resta aprender



Sequência de acordes do meio:

F7+ F F7+ Fº A/E A7+ F Fº ->


A6 A/C# A6/E A6 F#m A6/E ->


A/C# B/F# A7+ A/B

Aniversariante



Babi


Desejamos a você muita paz, saúde e felicidades. Nunca desista dos seus sonhos e continue essa garota
simpática e sorridente que você é. Feliz Aniversário!

Nós te amamos muito!!!!!!!

Meu Bicho de Estimação














Cindy 

Esta é a Cindy, com o Tiago. A Cindy é da raça BERNESE MONTAIN DOG ela adora os cuidados da equipe da Tobby Pety (Estética Canina) banho e tosa, sistema leva e traz. (12) 3021-5467 agora em novas instalações. 




Saiba Mais


História e Características Gerais da Raça



A origem do nome "Bernese Mountain Dog" vem da expressão alemã "Berner Sennenhund", que significa cão Pastor dos Alpes Berneses. O primeiro nome da raça foi "Dürrbäch", em homenagem ao lugar onde esses cães eram vendidos.


A raça surgiu graças aos soldados romanos que, quando invadiram a Suíça trouxeram os cães da raça Mastiff para fazer guarda e pastoreio. O cruzamento do cão dos romanos com cães pastores, que viviam no interior da região de Berna, na Suíça, deu origem a quatro raças montanhesas suíças: Swiss Mountain Dog, Appenzel Mountain Dog, Entlebucher Sennenhund e Bernese Mountain Dog.



Os cães pastores suíços que deram origem aos berneses eram utilizados pelas fazendas para fazer guarda, pastorear gado e ovelhas e carregar pequenas carroças com leite. Nesta época, os berneses eram chamados por vários nomes descritivos, como "bochecha amarela", "quatro olhos", "cães da fábrica de queijos", etc.



O Bernese já esteve perto da extinção, quando as fazendas pararam de usar seus cães para puxar carroças. A persistência da raça é atribuída ao professor Albert Heim, criador de Terranova (Newsfoundland), no início do século XX. Em 1948, o temperamento da raça suavizou e seu tamanho aumentou após o cruzamento com um exemplar da raça Terranova. Este processo culminou com a criação do padrão oficial da raça, publicado pela primeira vez em 1973.



Ainda hoje muitos clubes americanos e europeus realizam provas em que os Berneses são testados quanto à sua habilidade de puxar as pequenas carroças (sledding). Sua grande força e sua capacidade de suportar temperaturas muito baixas vêem desta mistura de raças.



Os Berneses Mountain Dogs não devem ser gigantes. Sua característica ideal é que ele seja forte, habilidoso, dócil e amigo. Por esses e outros motivos, a raça é muito indicada para o convívio familiar.

Fonte: www.bernese.com.br 

Mais Informações sobre a raça acesse o site: http://www.bernese.com.br/index.shtml

Meio Ambiente




DEIXE A NATUREZA LIVRE DE VANDALISMOS


Não deixe marcas de sua passagem pela floresta.



foto: Marco Pozzana
Na foto ao lado, vemos o tronco da árvore Pau Ferro (Caesalpinia ferrea) com marcas da passagem de vândalos no Parque Lage, no Rio de Janeiro. Um retrato de como a importância de proteger as espécies nativas do Brasil vem sendo despreza-da.

No mesmo parque, vemos um grande número de árvores que não são brasileiras, como Jaqueiras e Leucenas. Estas espécies exóticas competem de maneira agressiva com as árvores nativas, privando-as do pouco espaço que resta em nossas florestas.

Para se ter uma idéia do problema, até mesmo o Pau Brasil (Caesalpinia echinata), que deu nome ao nosso país, encontra-se na lista do IBAMA de espécies ameaçadas de extinção. Isso sem citar as que já foram extintas.

Somente as plantas nativas podem recuperar o equilíbrio conquistado ao longo de milhões de anos de evolução. Você pode fazer sua parte plantando essas árvores. Semeie esta idéia!


fonte: www.meioambienteurgente.blogger.com.br


Receita Culinária

FRITADA DE ABOBRINHA









INGREDIENTES

• 1 cebola picada

• 1 dente de alho amassado

• 1 colher de sopa de azeite de oliva

• 2 abobrinhas médias cortadas em rodelas finas

• 1 colher de chá de sal

• 5 claras

• 1 gema

• 1 colher de sopa de farinha de trigo



MODO DE PREPARO


Em uma panela, coloque o azeite e refogue a cebola e o alho. Adicione a abobrinha e mexa bem. Tempere com o sal e reserve. Bata as claras e a gema e junte a farinha de trigo. Em seguida, coloque também as abobrinhas. Em uma frigideira antiaderente média, ponha esta mistura e deixe cozinhar por cerca de 5 minutos em fogo baixo. Vire-a e deixe dourar bem. Retire e sirva em seguida.